"Selos Recebidos"

quarta-feira, 2 de junho de 2010

"Palavras"
"Em Soneto"


A palavra de certo liberta o poeta
Salva a alma quando esta desperta
Dos amores que lhes causam dores
Das feridas que causam dissabores

Palavra expressa ou escrita
Sempre quando honesta dita
Quando em falso profanada
O desgosto vem e faz morada

Aos poetas e poetisas palavras raras
Metáforas sempre bem aproveitadas
Amores, desamores e paixões caras

Pois de grande custo e pesar para as almas
Escrever das lágrimas que nunca são vertidas
Que mesmo dor sendo aclamamos ás palmas

21 comentários:

  1. Palavras são na verdade o refugio da alma, a forma mais doce de se expressar, e dizer de uma forma diferente aquilo que tem medo de falar claramente...
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Atravez das palavras, durante os séculos, histórias foram contadas de forma a jamais serem esquecidas...





    ;*

    ResponderExcluir
  3. As palavras bem ditas caem como bálsamo...
    Elas sao abençoadas e nos libertam...

    Lindas as suas palavras!
    Beijos,poeta!

    BOA NOITE!

    ResponderExcluir
  4. Os sentimentos contidos não convidam o poeta a escrever. Mas ele insiste, afinal ele não é por acaso "um fingidor"?

    Hamilton
    Grande poema. União perfeita da palavra com o pensamento!!!
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  5. Palavras escritas ou recebidas podem até salvar uma alma...Bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  6. Palavra sentida, vivida. Palavras de vida. Lindo soneto, lindo poema, Hamilton querido!! Parole!! Boa noite, bom feriado, beijos no seu coração ;)

    ResponderExcluir
  7. Aplausos, meu caroo!! Belíssimo soneto!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Tá muito bonito o soneto.
    Palavras encerram o grande poder de revelar muito do que somos e sentimos.

    ResponderExcluir
  9. Gabriela, tem razão por vezes as palavras escritas servem para declarar o que não se consegue falar.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Jυℓyαnα ツ, as palavras estão sim para eternizar e jamais passarão por algo a que se pode simplesmente deixar em algum passado.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Lu Nogfer, sim são bálsamos para nos libertar das dores que são trazidas no coração.
    Isso quando a usamos como o bem querer.

    Beijos e obrigado pelo elogio.

    ResponderExcluir
  12. Marliborges, é bem verdade o poeta se faz fingidor, finge ate mesmo sua própria dor.
    Mesmo que esta apesar de fingimento possa doer com inexplicável fervor.

    Obrigado pela presença e palavras.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Mila, salvam sim... São de fato um alento, pois por várias vezes apenas uma palavra é capaz de fazer com que nos levantemos e esqueçamos das lamúrias trazidas pela vida.

    Beijos e obrigado pelo carinho!

    ResponderExcluir
  14. Suziley, que tenho eu a fazer se não lhe agradecer este carinho que tem deixado em "profundo Pensar"... Muito obrigado por tudo..

    Beijos em seu coração também!

    ResponderExcluir
  15. Pablo nobre poeta, exagero seu!! rsrs
    Muito obrigado pelo elogio!!

    Abraços poeta!

    ResponderExcluir
  16. Alexandre Mauj, meu caro amigo tem razão...
    As palavras diz muito do que somos, nos tornamos e sentimos.

    Abraços e obrigado!

    ResponderExcluir
  17. A palavra liberta a qualquer um que queira sentir-se livre ou mesmo também apegado ao que sente! Basta que saibamos a ela conceder caminhos pelos versos de nossas poesias e teremos um mundo só para nós, só para o que sentimos! Liberte-se, viva a medida que as tuas palavras procuram a paz inteira, isso só te fará um bem infinito!
    Um abraço
    Juliana

    ResponderExcluir
  18. Querida Juliana, em verdade a palavra liberta ou aprisiona, cura ou fere.
    E esta com toda razão, precisamos tão somente lhe conceder caminhos seja em verso ou poesia, não importa desde que o caminho nos leve oara o bem em infinito.

    Beijos e Abraços!!
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  19. Que lindoooo...as palavras realmente tem poder!

    ResponderExcluir
  20. Desabafando, de certo elas tem um poder enorme, seja para nos levantar ou até mesmo para nos derrubar, cabe-nos saber como usa-las.

    ResponderExcluir
  21. Meu marido, extemado companheiro que já se foi pra pátria original, costumava dizer que sobrevivi do acidente porque efetivamente não perdi a capacidade de falar (risos). A palavra é o tudo e o nada e não acredito em meias palavras. Muito bom o seu soneto. Parabéns. Márcia

    ResponderExcluir

LinkWithin

Web Analytics