"Selos Recebidos"

quarta-feira, 5 de maio de 2010

"Sei de Mim"


Serei exatamente o que me permitir ser.
A cada novo amanhecer.
Não buscarei contento em faces que desconheço.
Farei de mim e meus pensamentos meu alento.

Buscar ser o que desejam de mim é vil.
É vil a mim e para meu perfil.

Tentam moldar o que não sou.
Sucumbir o sentir que restou.

Não sou sábio, tampouco parvo.
Sei de minhas limitações.
Tal como conheço as exaltações.

Por vezes alvo ou obscuro.
Sou o que sou.
Diante do respeito que a mim me dou.

Não sei simular o amor.
Tal como esconder a dor.

Sou lânguido perante o amor.
Tal como rijo diante da dor.

Posso não sobrepujar.
Tampouco abnegar.

Sei de mim.
Conheço a dor.
Tal como vitimado pelo amor.

Pois, visto o que são.
Não sabem se não.
Contíguo fazer-me o que sou.

35 comentários:

  1. Ai Hamilton, linda poesia...
    " Não sei simular o amor.
    Tal como esconder a dor"
    Essa sou eu, rs
    Bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  2. Olá Mila, obrigado pelo elogio, presença e carinho.

    E assim somos nós...
    Feliz ou infelizmente, assim somos nós.
    É como somos e nos aceitamos.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Não sei simular o amor.
    Tal como esconder a dor.

    Meu amigo este trecho fala por mim no momento. Naum vou pedir desculpas por desabafos pq naum sou disso, mas agradecer pela consideracaum, isso eu agradeco.
    Tenho tentado me manter firme e vc esta mais q certo, naum permita q ngm te molde naum. Seja vc msm, essa pessoa incrivel q tem se mostrado ser atraves destes posts.
    Forte abraco amigo.

    ResponderExcluir
  4. Caro Bleeding-Angel.
    Não deve desculpas a ninguém se lembra?
    Consideração não se ganha se conquista!
    Ninguém nos molda, somos o que somos e ponto final.

    Agradeço sim a você que acompanha, que traz palavras suas.
    Assim sendo, traz ate mim verdades.

    Abraços amigo!

    ResponderExcluir
  5. Como já disseram, bonito pensamento mesmo, mas prefiro essa parte:
    "Sou lânguido perante o amor.
    Tal como rijo diante da dor."

    Grande talento...

    ResponderExcluir
  6. Eu achei muito profundo esse post.
    O limite do amor, a dor intrínseca, o que somos e o que podemos ser.

    Você usa muito bem as palavras. Mas o que admiro é a profundidade de sua alma, que transparece nas linhas tão bem escritas.

    ResponderExcluir
  7. Olá querido!
    Lindíssima poesia.
    Simular o amor?
    Nunca coseguiria, sou corpo alma e coração.
    Tenha um dia especial.
    Beijo carinhoso

    ResponderExcluir
  8. Queridíssimo....
    Sermos inteiros, intensos, nos sabermos e nos aceitarmos assim, é para poucos corajosos.
    Bjsssssssssssssssssssss, muitos.

    ResponderExcluir
  9. Ser o que somos, embebidos em nossas particularidades, já me parece ser um fardo tão pesado que fingir ser algo que não nos cabe talvez seja o impossível. Há quem consiga, há quem tente... Mas às vezes parece ser tão difícil percorrer o caminho que nos é mais fácil.

    ResponderExcluir
  10. Só mesmo admitindo nosso tamanho poderemos crescer , caro Hamilton... Teus versos são de sábio em significado e beleza!! Parabéns Poeta!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Lindo texto...sabe acho q esta é uma de nossas maiores riquesas, podermos ser nos mesmo, e como isso muitas vezes se torna uam tarefa dificil...são tanto qurendo q sejamos de um jeito ou de outro desde a nossa meninice, que quando crescemos, muitas vezes ficamos meio perdidos em oq fazer, oq ser, como ser...

    Q bom q vc ja sabe quem vc é, e busca, luta para ser vc mesmo....
    É por isso q amamos e estou amando este lugar, pois ele é original, é seu...

    Beijos....

    ResponderExcluir
  12. Kerido Kubo,

    "Não buscarei contento em faces que desconheço.
    Farei de mim e meus pensamentos meu alento"

    Lindo esse Post, está o Máximo !!...
    Parabéns por tudo que escreve, profundas, verdadeiras sempre.

    Poeta ... hehe

    A música é Show de bola..

    Um mega Beijo, te adoro

    Pri =)

    ResponderExcluir
  13. As vezes não sei de mim... saio de mim e quando saio demoro sempre a voltar...

    Voltas que o eu dá, procura e nem sempre acha.

    Feliz, que achou... que acha!

    beeejo enorme!

    ResponderExcluir
  14. E vamos tentando, aprendendo, reinventando um jeito de sentir, de amar, de ser o que somos e camuflando as nossas culpas e erros.
    Adorei os versos!

    Beijos de quinta!

    ResponderExcluir
  15. Kubo.

    Adorei.

    Lindo e profundo, tanto no amor quanto na dor!

    Essas palavras vindas da alma, mostram sua sensibilidade diante desse dilema!

    Mas o que mais gostei foi sua percepção e personalidade diante do seu respeito próprio, muito raro! A maioria das pessoas acha que para ser aceita, precisa ceder às vontades alheias! Ledo engano!

    Sol.

    ResponderExcluir
  16. Não sei nem o que dizer, suas palavras foram lindas! Eu amei!Me identifico completamente com seu texto... Parabéns!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  17. "Sei de mim.
    Conheço a dor.
    Tal como vitimado pelo amor."


    Marcou... profundamente, em mim.

    ;*

    ResponderExcluir
  18. "Sei de mim.
    Conheço a dor.
    Tal como vitimado pelo amor."

    E essa sou eu.
    Uma das coisas que mais me incomoda nas pessoas é essa mania de dizer que elas sabem das nossas reações ou ações futuras...
    Se alguem pode cogitar saber somos nós mesmos e mesmo assim nunca com total certeza.



    Bejãooo ;*

    ResponderExcluir
  19. Muito grato pelas palavras Victor Zanata, saiba que elas sempre tiveram grande peso para mim!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  20. Alexandre, meu caro.

    Agradeço muito sua admiração, e quero que saiba que que a admiração é recíproca.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  21. Lady, querida.
    Agradeço suas palavras sempre.
    E sejamos assim, corpo alma e coração.

    Beijos e obrigado sempre!

    ResponderExcluir
  22. Lila, linda.
    Que assim seja, mas que dentre os corajosos estejamos enfim.
    Sentir, é pouco comparado ao se permitir sentir.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  23. Louise, agradeço suas visitas, tal como as sábias palavras.
    E lhe digo que o "fácil" é um termo criado em nossas mentes.
    Não existe fácil ou difícil, mas sim o compromisso de se viver. Pemitir-se viver.

    Beijos e espero que esteja sempre presente com suas palavras.

    ResponderExcluir
  24. Carissímo Pablo, suas palavras aqui são de enorme valia.
    Agradeço vossa admiração.

    Abraços Pablo Poeta.

    ResponderExcluir
  25. Valquíria Falcão, é bem verdade.
    Durante toda a vida tentam nos moldar, mas estes que o tentam sabem em sua essência que ninguém pode ser moldado.
    Esta é a pior enganação do ser humano.
    Enganar a sí mesmo.

    Fico muito feliz, por gostar de estar aqui e muito mais pelas palavras que vem presentear este espaço.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  26. Pri (*****), eu agradeço suas palavras, suas exaltações.
    E a música traduz nossa busca incessante.

    Beijos também adoro você.

    ResponderExcluir
  27. Essência e Palavras, não é sempre, tampouco constante nosso encontro consigo mesmos.
    Por vezes também vagueio, sem pensar em voltar.
    Mas de pés no chão, volto a mim novamente e a tudo que sou.
    Igualmente tú econtra-te sempre, apenas não percebeu.
    Pois neste momento esta tão bem, que simplesmente se esqueceu.

    Beijos e obrigado sempre.

    ResponderExcluir
  28. Luciana, assim desta maneira, sem modelos ou moldes nos reinventamos a cada dia.
    Mesmo que camuflando os erros, é com eles que reinventamos.

    Beijos de quinta a noite!
    Adoro vc aqui....

    ResponderExcluir
  29. Anônima (Sol).

    Agradeço profundamente suas palavras.
    e lhe digo que tal ledo engano de se moldar, ha de se sucumbir a qualquer um.
    Não importa quanto tempo dure.
    Pois, perdura o tempo que for necessário a cada um.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  30. Gabriela, muito obrigado pelo elogio.
    Muito me felicita saber que gostas de ler, e que sempre nos deixa suas palavras.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  31. L. Obrigado por estar presente.
    Quando vitimas do amor, do sentimento hora acolhedor, jamais esquecemos.
    As marcas não são visíveis, mas sentimos mais que qualquer cicatriz que possa se ver.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  32. Jυℓyαnα ツ, disse tudo!!

    Ninguém além de nós mesmos.
    E mesmo assim, nem sempre com totalcerteza.
    Aprendemos dia após dia.
    Morremos sem saber de nós mesmos, quem dirá dos outros.

    Beijos e sempre muito obrigado!

    ResponderExcluir
  33. Lindo, lindo, lindo!!!!
    Quanta sensibilidade!

    Bjs querido poeta!

    ResponderExcluir
  34. Elaine, querida agradeço sua visita.
    A sensibilida, mesmo ela pode ser mais forte que qualquer rocha de insensibilidade.

    Beijos querida.

    ResponderExcluir
  35. Gostei bastante desse!

    Muitos tentam realmente moldar o que não somos... Isso,às vezes,chega a nos sufocar!
    É por isso que seus versos me fizeram pensar bastante sobre quem somos e quem devemos ser.

    Muito bom!

    Bjinhos***

    PS: Também adorei a musicalidade do poema!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Web Analytics