"Selos Recebidos"

sábado, 8 de maio de 2010

"Casulo"


 A cerca de como me sinto.
Perdido, distante e por que não dizer oblíquo.
Dizem-me para atentar-me ao caminho.
De que adianta se desconheço este a que sigo
Perco-me, acho-me e logo, novamente esqueço-me.

Conflito constante, coração errante
Mente balbuciante
De espírito inquietante.

Ninguém morre por amar tanto
Tal como não vive sem amor.
Visto que a vida esta além .
De despertar e adormecer

Hoje, desejo chorar
Afundar-me em mim.
Amanhã posso novamente sorrir.

Mas hoje, não pergunte como estou.
Hoje me deixe sofrer com que sou.
Deixe-me chorar ao sentimento que me dou
Deixe-me adormecer na dor
Pois, ainda desejo renascer no amor.

Assim...

Deixe-me falar
Deixe-me sonhar.
Não preciso, que me lembre
Não preciso, que me faça lembrar
Desta dor que há muito mora em meu peito.
Que pelo que entendo não pretende me deixar.

A estranheza hoje assola com certeza.
Estranho a mim e não ao que vejo
Estranho sentimento, mas não o mau discernimento.

Deixe-me sentar
Simplesmente calar.
O silencio adentrar o ser
E calar por alguns instantes este sofrer.


"Se a Borboleta forçar-se a deixar seu casulo,
Antes do tempo que lhe é necessário.
Estará renunciando o direito de um dia poder voar"

14 comentários:

  1. Bravo! Lindo! Amei isso!
    Que inspiração divina você teve, Hamilton. Seus versos tocam no fundo, lá no fundo da alma... E quantas vezes a gente não se sente assim, não é?
    Já tive vários desses momentos. Tão lindo que vou até guardar nos meus arquivos pra ler de vez em quando.

    Um beijo, querido! Parabéns pela beleza dessa poesia!

    ResponderExcluir
  2. Olá Luciana, muito obrigado pelo elogio.
    É bem verdade, esses momentos, esses sentimentos vem e vão em nossas existências.

    Beijos querida Luciana, e obrigado novamente!

    ResponderExcluir
  3. Eu entro e saio do casulo...
    Por vezes, quando estou fora, preciso para lá retornar e, como criança, voltar a aprender a brincar... A brincar de viver!

    Abração,

    Luciana (Catadora de Palavras)

    ResponderExcluir
  4. O final desse post é muito profundo. Realmente, tudo tem sua hora, seu momento. Até mesmo a hora da dor se encerrar.
    Excelente.

    ResponderExcluir
  5. Meu caro amigo, nos precisamos sim nos enfiarmos em um casulo de vez em qndo e pedirmos pra fikrmos em PAZ.
    Precisamos chorar, sem medo, sem vergonha, sem preconceito, pois as lagrimas saum a essencia do q ha dentro de nos e q precisa ser colokdo pra fora em algum momento, kso contrario, naum suportariamos certos fardos.
    Por isso chore, chore dentro deste casulo, qndo vc sentir q naum precisa mais dele, saira aliviado e livre pra poder voar.
    Abracos e tenha um otimo fds.

    ResponderExcluir
  6. Gosto dessa forma de usar as palavras, com clareza expressando os sentimentos. Fazendo das experiências da vida poema.
    Gostei muito da sua página. se quiser visite a minha, abraços Fátima

    ResponderExcluir
  7. Luciana Horta, quisera eu me esconder para não mais sentir.
    Essa ausência que não quer passar, esta dilacerando a forma que encontro enfim de vivier.
    Gostaria de adormecer, e não mais pensar ou sentir.

    Beijos e espero que sempre esteja aprendendo a viver.

    ResponderExcluir
  8. Caro Alexandre Mauj, este momento infelizmente esta a perdurar.
    Não sei se pelos dias frios que esta a fazer.
    Mas espero que se tenha algum motivo, que ele não tarde a se revelar.

    Abraços meu caro e obrigado sempre.

    ResponderExcluir
  9. Caro amigo Bleeding_Angel, estou sim em um casulo, mas ele me parece frio e inseguro.
    As lágrimas não saem, como se presas a mim.
    Acredito que nada é por um simples acaso, e que tal dor um dia irá passar.

    Abraços e muito obrigado.

    ResponderExcluir
  10. Fátima, seja muito bem vinda a este espaço.
    Onde me permito, me faço.
    Sejam de palavras ou de lágrimas que não derramo.
    Mas que sejam sempre sinceras, visto que resumem uma vida.

    Beijos.

    P.S - Fui ao seu Blog, mas lá não pude deixar comentário, esta com um erro em HTML.

    ResponderExcluir
  11. Nato, fico feliz que minhas palavras o agradem, tanto em "Caos Mundial" como aqui em "Profundo Pensar".

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  12. Eu sempre volto pra ler as respostas, pois tbm uso este metodo, acho uma grande consideracaum com quem comenta em nosso blog. As vzs atraso, naum tenho a msm responsabilidade q vc, mas nunk deixo ngm sem resposta e entendo como eh, estar assim, sem conseguir derramar uma lagrima, eh pessimo... Pq chorar alivia e sentir vontade e naum conseguir sufok.
    Espero, de vdd, q tudo isso passe o mais breve possivel amigo, pq passar, vai passar sim.

    "Vai passar, tu sabes que vai passar.Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe?O verão está ai, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada "impulso vital". Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te supreenderás pensando algo como " estou contente outra vez".

    Caio Fernando Abreu.

    PS: Essa musik do Fagner eh tua biografia naum? Eu sei como eh, a musik as vzs fala por nos, eh impressionante. Diversas falam por mim.

    ResponderExcluir
  13. Bleeding_Angel, obrigado pela presença, saiba que agradeço muito isso!
    É importante, pode acreditar!
    Adorei o escrito de Caio Fernando Abreu, e a música (risos) o que fazer não é? Não somos os únicos enfim o que nos da alento em acreditar que o amanhã será melhor.

    Abraços!! E muito obrigado mesmo por estar aqui!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Web Analytics